Menu

Não podemos ser prisioneiros da nossa própria liberdade

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

            De que modo nós podemos expressar nossa convicção religiosa em um ambiente onde outras pessoas se comportam e pensam de maneira distinta e hostil?Essa pergunta tem feito parte do nosso cotidiano em todas as esferas de nossas vidas. Acreditar no que quiser e expor opiniões e ideias é um direito intrínseco inseparável de cada um de nós.

            A livre consciência é inviolável, de foro íntimo, sobre a qual ninguém pode legislar. Ninguém tem o direito de impedir que comuniquemos nossas crenças, e, muito menos, que definam a forma e como exteriorizamos nossa consciência. A liberdade de consciência está relacionada ao que cremos intimamente (e individualmente), e a expressão dessa liberdade é a manifestação do que realmente acreditamos.

            Refletir e expressar esses pensamentos livremente estabelece o direito individual. No mundo ocidental, em todas suas democracias, este direito é amplamente garantido (ou pelo menos deveria ser). No nosso país, as liberdades de expressão do pensamento e consciência são suportadas pela nossa Constituição Federal. Mas será que elas têm sido devidamente praticadas e garantidas?

            A liberdade religiosa, bem como sua expressão e manifestação pública, é oriunda da liberdade de consciência e consiste no direito de manifestar suas crenças e descrenças. Dito isso, precisamos ressaltar uma coisa: “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias” (inciso VI, CF do Brasil).

           A invasão e profanação do ambiente de culto é algo inaceitável! A igreja é o Corpo Místico de Cristo e o cristão não pode ficar indiferente aos atuais e persistentes afrontes à Constituição Federal.  Não podemos compactuar com o engavetamento das leis humanas e com a aridez intelectual e espiritual de alguns “pastores”. Não podemos nos curvar ao que é contrário aos nossos princípios, os princípios bíblicos. Quem respeita a Escritura ama a Deus. Amar a Deus é praticar o princípio da sabedoria. Sabedoria verdadeira.

            Nós, como cristãos verdadeiros, entendemos que o amplo reconhecimento das liberdades individuais tem fundamento e argumento ontológico em Deus. Somos seres criados por Deus, e por direito de criação, recebemos aptidão para tomar nossas próprias decisões e fazer nossas próprias escolhas. Temos o direito de professar, pensar e acreditar no que quisermos, de acordo com nossa regra de fé.

            As liberdades individuais são prerrogativas do homem por direito de criação. A prática correta da legislação vigente deve ser respeitada. Se abrirmos mão dela, por um minuto que seja, estamos arriscando a liberdade desta e das futuras gerações. Não podemos ser coniventes com o incitamento de ódio contra nossa fé e o cerceamento da liberdade religiosa no nosso país. A negação desse confronto progressivo contra a Igreja pode gerar resultados e consequências assustadoras. A verborragia daqueles que deviam cuidar e garantir o cumprimento de nossas leis nos faz pensar que muito próximo está o final dos tempos. Mas enquanto estamos aqui, devemos lutar contra o inimigo. E lembrem-se: o inimigo não pode ser subestimado.

Publicações Relacionadas

NPC
Dérek Nascimento

Diga não ao aborto!

O aborto produzido foi a maior causa de morte no ano passado (2021). De acordo com as estatísticas da Wordometter, que leva em consideração os dados

Leia mais

Outras Publicações

Pregador Bem-Sucedido
Geziel Gomes

Comprometidos com o Evangelho

Desde há muito somos conhecidos como evangélicos, ou seja, como pessoas que creem no Evangelho, que aceitam o Evangelho, seguem-no, com ele se identificam e

Leia mais