Menu

A dor de gerar um milagre

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

Quando ouvimos falar em milagres, imediatamente pensamos em alegria. Alegria de uma mulher estéril que gerou um filho, alegria de uma viúva que viu o filho voltar a vida, alegria de duas mulheres ao ver o irmão voltar a viver, alegria de um paralítico ao caminhar pela primeira vez. A alegria (inevitável) ao viver o extraordinário, não anula a dor de gerar um milagre.

Quero falar sobre dois, destes quatro milagres hoje.

Ana, um dos maiores exemplos de dor ao gerar um milagre, era uma mulher com a madre cerrada, humilhada, no entanto, sonhadora. Sentia-se desvalorizada e inferiorizada por não poder gerar filhos no momento que queria, sendo oprimida dentro de seu próprio lar. Mas ela sonhava com um filho e já o estava gerando dentro de si, o milagre. 

Culturalmente falando, ser mulher e não gerar descendentes a tornava alvo de julgamentos nos tempos bíblicos. “Pecadora”, “amaldiçoada”, “culpada por prejudicar a linhagem do marido “, entre outros rótulos eram colados na mulher que não gerava filhos. Ana foi julgada durante anos antes gerar Samuel e, talvez, julgada até depois de entregar o menino ao sacerdócio. Conhecida por ser um dos exemplos de fé, a dor não parou o seu propósito.

A dor de ser humilhada até gerar não impediu que Ana se alegrasse ao receber Samuel

Particularmente, a viúva de Naim é uma das histórias que mais me comove. Sem nome, sem identidade, sem status, sem marido (provisão) e agora, sem o filho (esperança). Naim era uma cidade quase desconhecida, pouco valorizada e sem uma boa localização geográfica, tanto que, até hoje, historiadores não têm certeza onde ficava a cidade. Esta mulher estava sem identidade, era desprezada pela sociedade por ser viúva e também era oprimida por perder sua única fonte de sustento. Além da dor de ser humilhada, ela sentia a dor de perder um filho que, antes de ser fonte de sustento, era seu bem mais precioso e talvez seu maior amor. Após o milagre, talvez tenha sido conhecida como abençoada, mas durante seu processo sofreu a dor de gerar um milagre. 

O ressurreição do menino trouxe ao coração daquela mulher a alegria de receber esperança do Senhor 

A dor de gerar o milagre não pode tirar do seu rosto a alegria de viver o milagre. Por vezes a dor do seu processo parece ser maior e mais intensa do que a alegria de viver o milagre, entretanto, isso não é verdadeiro. A alegria de segurar Samuel nos braços será maior do que a dor de ser humilhada por Penina. A alegria de abraçar um filho que estava morto será maior do que a dor de velar seus sonhos e esperança. Acredite, a dor do processo nunca será maior do que a alegria do propósito.

Publicações Relacionadas

InterBible
Larissa Silva

Sabedoria – parte III

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida.” – Provérbios 4:23 Estes dias estive parando

Leia mais
InterBible
Larissa Silva

Sabedoria – parte II

“A água roubada é doce, e o pão que se come escondido é saboroso!” Mas eles nem imaginam que ali estão os espíritos dos mortos,

Leia mais
InterBible
Larissa Silva

Sabedoria – parte 1

“O Senhor me criou como o princípio de seu caminho, antes das suas obras mais antigas; fui formada desde a eternidade, desde o princípio, antes

Leia mais

Outras Publicações

Devocional
Felipe Rodrigues

Pegue seu frasco e vá

Marta cuidava de tratar os convidados especiais que chegavam com a sua hospitalidade, enquanto Lázaro, seu irmão, se encontrava à mesa com Jesus e também

Leia mais
Teologia
Jonas Barbosa

Inteligência Financeira (Parte II)

DICAS PARA VIVER DE FORMA PRÓSPERA Pare de consumir o desnecessário! Sem inteligência financeira, o dinheiro que ganhamos parece ser de saco furado. Você, certamente,

Leia mais