Menu

A queda das liberdades

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

“Andarei em verdadeira liberdade, pois tenho buscado os teus preceitos.”

(Salmos 119.45)

         No mundo ocidental, o direito à liberdade é garantido, e não pode ser negociado com impositores que querem desiquilibrar uma democracia republicana, com medidas totalitárias que privam nossas liberdades. A liberdade de consciência e de expressão do pensamento é garantida pela Constituição Brasileira. Segundo o caput do artigo 5°, “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”, em que é garantida a inviolabilidade desta condição. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada e proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 – resolução 217 A III, especificamente em seu artigo 18, reconhece que:

Todo homem tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; esse direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião Ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou particular” (UNITED NATIONS, 1948).

         A liberdade religiosa deve ser reconhecida como umas das principais liberdades individuais, já que todos nós somos criação de Deus. Esta liberdade também consiste em garantir a livre manifestação de crença (ou descrença) de todas as religiões, incluindo adeptos do agnosticismo e ateísmo, pois “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política […]”, como está descrito no inciso VIII do 5° artigo da Constituição Brasileira. 

         Uma das manifestações de tolhimento das liberdades humanas é a tendência (o que tem se tornado quase uma certeza) de suprimir as liberdades daqueles que manifestam discordância das ideias liberais, forçando essas pessoas à comportamentos corrompidos e posicionamentos políticos anticristãos ao sabor das ideologias da moda. Daí a promoção da chamada “Política de Cancelamento”, que quer calar, a qualquer custo, toda forma de dissidência, perseguindo, implacavelmente, aquele que ouse pensar fora das agendas e das bandeiras hasteadas e defendidas pelo “politicamente correto”. 

        Na esteira dessa necessidade de controle e de imposição do cerceamento das liberdades individuais, até mesmo o direito da prática do culto à Deus foi suprimido em algumas cidades do Brasil (e do mundo), por conta da dita “(pseudo) ciência”, para “achatar a curva”. Recentemente, o Facebook passou a classificar a expressão “Glória a Deus” como um discurso de ódio (a coisa está ficando mais descarada). De um dia para o outro, passamos a observar dezenas de prints que apontam notificações recebidas por quem tentou escrever esta expressão. “É possível que este comentário não siga nossos Padrões da Comunidade” foi o alerta emitido pela plataforma de rede social.

        Esse totalitarismo denota o autoritarismo exercido pelo Estado, em que este destrói o que o conservadorismo busca manter – como apresentado por George Saville Marquis of Halifax (1912): o ponto de estabilidade entre a liberdade, religião, autoridade, dever, justiça e virtude.

         A busca incansável de muitos governantes pelo poder, tem como objetivo central, impedir a organização e a manifestação popular. O poder dos governantes depende da obediência dos governados, dos cidadãos. A força dos governos vem do povo. O fato é que um governo forte se constrói pela obediência das demandas da população, e não o contrário. A vontade popular deve prevalecer, bem como os mecanismos democráticos que garantem a transparência, a lisura e a confiabilidade da participação social e do processo político.

Referências

UNITED NATIONS. Universal Declaration of Human Rights. Paris: United Nations/UDHR, 1948. Acessado em: 17 ago. 2021. Disponível em: https://www.un.org/en/about-us/universal-declaration-of-human-rights

SAVILE, G. The Complete Works of George Savile, First Marquess of Halifax. Editado e com introdução de Walter Raleigh. Oxford: Clarendon Press, 1912.

Publicações Relacionadas

NPC
Dérek Nascimento

Diga não ao aborto!

O aborto produzido foi a maior causa de morte no ano passado (2021). De acordo com as estatísticas da Wordometter, que leva em consideração os dados

Leia mais

Outras Publicações

Fala Malafaia
Silas Malafaia

As Duas Portas, Os Dois Caminhos

Quem vive sem compromisso com Deus, usufruindo da carga imensa de pecados que o mundo oferece, destruindo sua vida nos vícios das drogas, da prostituição,

Leia mais